sábado , 23 agosto 2014

Soldagem Subaquática em poucas palavras

Temos recebido inúmeros e-mails solicitando maiores informações a respeito de um processo de soldagem bastante peculiar e curioso – a Soldagem Subaquática. Sendo assim, o BLOG DO SOLDADOR dispõem esse pequeno artigo sobre esse processo de soldagem tão misterioso quanto as profundezas do mar.

Ao longo dos anos, inúmeras pessoas manifestaram interesse em carreiras de soldadores subaquáticos, mas não tinham certeza de como começar. Soldadores, estudantes, mergulhadores, e tantos outros profissionais foram atraídos pela profissão principalmente devido a possibilidade de ganhos e de pouco tempo de trabalho, mas a coisa não é bem assim. É necessário prática e muita dedicação.

O Centro de Tecnologia de Soldagem do sistema FIRJAN/SENAI promove, dentre muitos cursos destinados ao estudo dos processos de soldagem, o curso de Soldador Subaquático, que certifica e qualifica o profissional que gostaria de atuar neste segmento do mercado. A procura é muito grande, mas o pessoal do Senai está disposo a esclarecer todoas as dúvidas. Maiores informações clique AQUI.

Agora, vamos ao que interessa:

A Soldagem Subaquática é um processo de soldagem voltado principalmente para manutenção, ou seja, só se solda debaixo d’água quando é realmente necessário. Porém atualmente existem procedimentos de soldagem e corte, praticamente, para qualquer tarefa requerida. É crescente a utilização desse processo, principalmente no segmento de construção e reparo de equipamentos para exploração, perfuração e recuperação de óleo e gás natural no mar pela indústria de petróleo.

O processo de soldagem em si se assemelha muito com o processo de soldagem por eletrodos revestidos (Soldagem Úmida), porém, o processo de soldagem subaquática é escolhido de acordo com a técnica a ser utilizada também levando em consideração sua aplicação (soldagem submersa em ambiente seco, em habitat ou câmara poderá ser utilizado MIG/MAG, TIG, Plasma por exemplo). Já existem estudos avançados para utilização de eletrodos especiais e arames tubulares.

A segurança é a prioridade nesse trabalho. Há toda uma preparação que deve ser feita e considerada para garantir a integridade física e a seguranção do profissional durante seu trabalho. Além disso o soldador nunca está sozinho. Um rádio transmissor é acoplado ao capacete do mergulhador para que o mesmo possa comunicar – se com a superfície constantemente. Todos os comandos e movimentações, tanto dentro como fora da água são devidamente monitorados.

 

O circuito de soldagem recebe uma chave tipo FACA ligado nos cabos de soldagem e de fácil acesso, caso seja necessário desligar o circuito por uma emergência.

 

 

Existem diferentes classes de soldagem subaquática devidamente distintas que classificam o processo de acordo com a sua aplicação:

- SOLDAGEM ÚMIDA

- SOLDAGEM SECA LOCALIZADA

- SOLDAGEM EM CAIXA SECA

- SOLDAGEM EM CÂMARA

- SOLDAGEM EM HABITAT OU CÂMARA HIPERBÁRICA

Como o assunto é extenso, vamos tratar somente da soldagem úmida.

Para o processo de soldagem úmida, tanto a peça de trabalho como o soldador estão localizados na água, não sendo realizada nenhuma preparação para separar os materiais a serem soldados na água. O soldador/mergulhador utiliza eletrodos com recobrimento à prova d’água e porta eletrodos, pistolas e tochas especialmente projetadas ou modificadas para serem utilizadas na soldagem subaquática. Para obtenção de juntas soldadas de qualidade assegurada, pode utilizar compartimentos cheios de gás para proteger os eletrodos ou fluxo quanto a absorção de água antes da sua utilização.

Para quem quiser se aprofundar mais nos estudos do processo de soldagem subaquática o BLOG DO SOLDADOR disponibiliza uma apresentação feita pelo pessoal da UFMG.

É a mesma apresentação que utilizei como base para escrever esse artigo. Acesse a página de DOWNLOADS clicando AQUI.

Para baixar, clique no link SOLDAGEM SUBAQUÁTICA da referida página.

O BLOG DO SOLDADOR registra aqui os devidos agradecimentos ao professor Alexandre Queiroz Bracarense (UFMG) e Kristin Campbell (AWS – American Welding Society) pelas informações disponibilizadas.



Comentários

  1. marenglish disse:

    oi meu nome é marenglish sou da Bahia e gostaria se aqui tem algum lugar quer eu possar fazer esse curso i quanto é o valor em media do curso e a faixa salarial

    obrigado

  2. Daniel disse:

    Acho muito interessante o processo de soldagem em baixo d’agua

  3. vinicius disse:

    Acredito que o caminho a percorre é longo para chegar ao nível de um soldador subaquático.
    Ter experiências profissionais como soldador, ter horas de treinamento, e uma qualificação por órgão competente.
    Gostaria de mais informações de pessoas que trabalham na área de solda.

  4. Ricardo disse:

    onde posso fazer o curso de solda subaquática em sp/capital ?

  5. piscila disse:

    boa noite! meu nome é priscila sou de são josé dos campos-sp, achei esse curso muito interessate quero saber como faço pra fazer esse curso, ja tenho curso de solda elétrica e oxiacetilênico conclui no senai, me interesei por esse tambem quero saber o valor e aonde posso fazer.Obrigada me responda por favor

  6. olirio disse:

    qual e o valor do investimento nese curso e aonde fazer. qual o salario inisial depois do curso.

  7. Leandro Duarte Manoel disse:

    Gostaia de saber se tem o curso de solda subquatica em florianópolis? E onde?

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.

Licença Creative Commons
O trabalho Blog do Soldador de Rodrigo Ribeiro dos Santos está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.blogdosoldador.com.br. Creative Commons — Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International — CC BY-NC-SA 4.0 creativecommons.org